A síndrome das pernas inquietas (SPI) é uma enfermidade crônica do sistema nervoso, que é caracterizada pelo impulso intenso de mover as pernas. Ela é uma condição que atinge de 5 a 10% da população com idade entre 18 e 65 anos. Em indivíduos de maior idade, esse percentual pode chegar até a 20%. Quer saber mais sobre esta síndrome? Nós falaremos dos sintomas mais comuns, as possíveis causas, os tratamentos disponíveis e também um meio de autoavaliação para detectar a SPI. Uma quantidade significativa das pessoas que fazem parte do percentual mencionado não sabem que sofrem dessa doença. A necessidade de movimentar as pernas se torna mais evidente em momentos de repouso, seja sentado ou deitado, principalmente ao final da tarde e durante a noite. Especialistas definem essa condição, que tem diagnóstico difícil, como uma "incapacidade de relaxar" que está diretamente relacionada à insônia e afeta a qualidade de vida. Segundo pesquisas, cerca de 80% das pessoas com SPI apresentam movimentos periódicos das extremidades durante o sono. Tais espasmos acontecem a cada 20 ou 30 segundos durante a noite, resultando em constantes interrupções do sono. As consequências são um aumento da fadiga e redução da capacidade de concentração durante o dia. E quais são os sintomas da síndrome das pernas inquietas? O principal sintoma, como já dito, é o desejo incontrolável de mexer as pernas, que vêm junto a sensações descritas como desagradáveis pelos pacientes. Essas sensações podem aparecer na forma de formigação, coceira, latejamento ou arrepios nas pernas. Em alguns casos, esses sintomas também podem ocorrer nos braços ou outras partes do corpo. Mas o que causa a síndrome das pernas inquietas? Ainda não se conhece uma causa exata para a SPI, mas existem fatores e aspectos de risco que podem contribuir para o surgimento da doença. Podemos citar: Fator genético. Condições como diabetes ou Parkinson. Anemia ou baixo nível de ferro. Alcoolismo. Insuficiência renal. Gravidez. Como posso saber se tenho síndrome das pernas inquietas? O diagnóstico para SPI pode ser desafiador. Uma das formas de identificar se sofremos com a síndrome é nos fazendo as seguintes perguntas: Sinto um impulso incontrolável de mover minhas pernas devido a um desconforto? Isso acontece durante momentos de descanso e inatividade? O desconforto alivia quando movo minhas pernas ou caminho? Os sintomas são mais intensos à tarde e à noite? Eles só se manifestam à noite? De qualquer modo, é fundamental procurar um profissional para que ele seja responsável por confirmar o diagnóstico da doença e indicar o tratamento mais adequado. Há cura? Embora a síndrome das pernas inquietas (SPI) não tenha uma cura específica, existem tratamentos disponíveis que podem ajudar a controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do indivíduo afetado. Comumente, profissionais da saúde recomendam a administração de determinados medicamentos com a finalidade de gerir essa condição. Adicionalmente ao tratamento prescrito pelos especialistas, existem várias sugestões valiosas que podem ajudar a aliviar os sintomas e lidar com a síndrome das pernas inquietas da melhor forma possível. Entre essas recomendações, destacamos: Adotar um estilo de vida saudável. Abster-se de consumir chá e café. Abandonar o hábito de fumar. Manter um horário regular para dormir e acordar. Assegurar um ambiente sereno para o sono. Incluir na dieta alimentos ricos em vitamina B, ferro, magnésio, potássio e cálcio. Fazer exercícios de alongamento. Estimular o relaxamento muscular, seja por meio da prática de yoga, tai chi ou terapia com acupuntura. Caminhar. Alternar entre banhos quentes e frios. Manter a mente ocupada durante períodos de desconforto. Bem, nós do Dicas Top Br, acreditamos que é crucial esclarecer todas as suas dúvidas e, para isso, não hesite em procurar o seu médico ou um profissional especialista para mais detalhes.

Síndrome das pernas inquietas – Descubra se você têm

Saúde

Síndrome das pernas inquietas – Descubra se você têm. A (SPI) é uma enfermidade crônica do sistema nervoso, que é caracterizada pelo impulso intenso de mover as pernas. Ela é uma condição que atinge de 5 a 10% da população com idade entre 18 e 65 anos. Em indivíduos de maior idade, esse percentual pode chegar até a 20%. Quer saber mais sobre esta síndrome? Nós falaremos dos sintomas mais comuns, as possíveis causas, os tratamentos disponíveis e também um meio de autoavaliação para detectar a SPI.

 

 

Uma quantidade significativa das pessoas que fazem parte do percentual mencionado não sabem que sofrem dessa doença. A necessidade de movimentar as pernas se torna mais evidente em momentos de repouso, seja sentado ou deitado, principalmente ao final da tarde e durante a noite. Especialistas definem essa condição, que tem diagnóstico difícil, como uma “incapacidade de relaxar” que está diretamente relacionada à insônia e afeta a qualidade de vida.

 

Segundo pesquisas, cerca de 80% das pessoas com SPI apresentam movimentos periódicos das extremidades durante o sono. Tais espasmos acontecem a cada 20 ou 30 segundos durante a noite, resultando em constantes interrupções do sono. As consequências são um aumento da fadiga e redução da capacidade de concentração durante o dia.

 

E quais são os sintomas da síndrome? O principal sintoma, como já dito, é o desejo incontrolável de mexer as pernas, que vêm junto a sensações descritas como desagradáveis pelos pacientes. Essas sensações podem aparecer na forma de formigação, coceira, latejamento ou arrepios nas pernas. Em alguns casos, esses sintomas também podem ocorrer nos braços ou outras partes do corpo.

 

Mas o que causa síndrome das pernas inquietas? Ainda não se conhece uma causa exata para a SPI, mas existem fatores e aspectos de risco que podem contribuir para o surgimento da doença. Podemos citar:

 

Fator genético.

Condições como diabetes ou Parkinson.

Anemia ou baixo nível de ferro.

Alcoolismo.

Insuficiência renal.

Gravidez.

 

Como posso saber se tenho SPI? O diagnóstico pode ser desafiador. Uma das formas de identificar se sofremos com a síndrome é nos fazendo as seguintes perguntas:

 

Sinto um impulso incontrolável de mover minhas pernas devido a um desconforto?

Isso acontece durante momentos de descanso e inatividade?

O desconforto alivia quando movo minhas pernas ou caminho?

Os sintomas são mais intensos à tarde e à noite?

Eles só se manifestam à noite?

 

De qualquer modo, é fundamental procurar um profissional para que ele seja responsável por confirmar o diagnóstico da doença e indicar o tratamento mais adequado.

 

Há cura? Embora a síndrome das pernas inquietas (SPI) não tenha uma cura específica, existem tratamentos disponíveis que podem ajudar a controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do indivíduo afetado. Comumente, profissionais da saúde recomendam a administração de determinados medicamentos com a finalidade de gerir essa condição.

 

Adicionalmente ao tratamento prescrito pelos especialistas, existem várias sugestões valiosas que podem ajudar a aliviar os sintomas e lidar com a síndrome das pernas inquietas da melhor forma possível.

 

Entre essas recomendações, destacamos:

 

Adotar um estilo de vida saudável.

Abster-se de consumir chá e café.

Abandonar o hábito de fumar.

Manter um horário regular para dormir e acordar.

Assegurar um ambiente sereno para o sono.

Incluir na dieta alimentos ricos em vitamina B, ferro, magnésio, potássio e cálcio.

Fazer exercícios de alongamento.

Estimular o relaxamento muscular, seja por meio da prática de yoga, tai chi ou terapia com acupuntura.

Caminhar.

Alternar entre banhos quentes e frios.

Manter a mente ocupada durante períodos de desconforto.

 

Bem, nós do Dicas Top Br, acreditamos que é crucial esclarecer todas as suas dúvidas e, para isso, não hesite em procurar o seu médico ou um profissional especialista para mais detalhes.

Leia: Refrigerante Prebiótico: para a Saúde Digestiva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *